Tomate: curiosidades do queridinho da Itália

O tomate é um alimento que não pode faltar na culinária italiana. O que seria da tradicional Lasagne alla Bolognese sem ele? Com toda a certeza, não seria a mesma coisa. Porém, a sua presença ilustre nos pratos que mais nos encantam não impede que ele seja um mistério para muitos de nós. Há quem não saiba, por exemplo, que ele é um fruto. Então, que tal conhecer um pouco mais sobre este delicioso ingrediente?

Origem
Apesar de sua popularidade na Itália, o tomate não é originário da Europa. Na verdade, o tomateiro é nativo das Américas. Para especificar mais, da região Andina que engloba o Peru, Norte do Chile e o Equador. A data exata de sua domesticação ainda é desconhecida. Sabe-se que em 500 antes de Cristo ele já era cultivado no sul do México. Aliás, os Astecas, Maias e outros povos da Mesoamérica já usavam o fruto em sua cozinha.

Chegada à Europa
Apesar de ser tradicional nos molhos italianos, o tomate só chegou à Europa no século XVI. O conquistador espanhol Hernán Cortés pode ter sido o primeiro a levar o tomate para a Europa em 1521. No início eles não eram comidos, apenas utilizados como decoração nos banquetes.

Pomo d’oro
Os italianos foram os primeiros a usar o tomate em suas receitas. Eles gostaram tanto do ingrediente que chamaram a fruta de pomo d’oro, que em português significa pomo de ouro. Aliás, essa é a explicação de como o molho de tomate italiano ganhou seu nome.

Apesar do pioneirismo italiano, o primeiro registro conhecido sobre o tomate na literatura europeia é de 1544 por Pietro Andrea Mattioli, um médico italiano. Nele, Mattioli sugere que se prepare o ingrediente com sal, pimenta preta e óleo. A mesma receita usada para as berinjelas na época.

Culinária
Muito antes do tomate se espalhar pela culinária europeia, o italiano Antonio Latine escreveu o livro de cozinha napolitana Lo Scalco alla Moderna, entre 1692 e 1694. Nele, uma das receitas recomendava levar ao fogo pedaços de tomate sem pele ou sementes e temperá-los com salsinha, cebola, alho picado, sal e pimenta. Também deveria acrescentar azeite e vinagre e para se obter o molho Pomodoro.

Em 1745, o livro do espanhol Juan Altamiras descrevia 200 receitas. Entre elas, 13 tinham o tomate como ingrediente. Na Inglaterra há evidências de seu consumo por famílias judias a partir de 1750, apesar do ingrediente ter permanecido suspeito para o restante dos cidadãos até o século XIX.

Hoje o tomate é presença certa na maioria dos pratos, sejam eles europeus ou brasileiros. Imaginar como ele deixou de ser um ingrediente desconhecido e virou o queridinho de tantas culinárias é muito interessante! E se você gostou deste artigo, nós temos muito mais para você. Continue a acompanhar nossas atualizações, curta nossa página no Facebook e nos siga no Instagram para conhecer mais histórias como essa.

Compartilhar
error: Content is protected !!